quinta-feira, 28 de maio de 2015

Posição de dormir

        I

Do lado de lá

a pedra dança balé clássico
fazendo três acrobacias
sobre águinha cristalina
até chegar no profundo

A criança com mira mole
esburáca um sonho duro

        II

Do lado de dentro

o travesseiro de pata na pata
uma pena foge sorrateira
penteando o leito quente
de cor branca leite candura

Ele mira ela, lábio dormente,
sonhando um futuro infinitivo

        III

Do lado de fora

as falanges esquentam um copo
os lampadários lantejoulam
sobre gotículas de chuva
que texturizam a mesa vermelha

A fêmea fumante mira a espuma
e sonha o mirante de um barco


         IV

Do lado de cá

as unhas batucam nas letras
pretas quadradas abecedáricas
em um sinônimo resultado
de companhia solidada

Eu miro a noite silente
tenho medo de sonho
não durmo.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Quarto de Hotel

O céu não tem fim
em um hotel no interior

nem um som rodeia a cidade
nem uma roupa prende

felicidade

escuto o infinito
como um balão pegando fogo
escuto o ronco dos vizinhos
timbrando com o ar condicionado

sem mundo exterior.

Como são limpos esses lençóis...

O que será que passam as camareras?
nas camas brancas de casal...

A vida é um pouco mais suja
e um pouco mais quente
que os produtos presos no frigobar

Veja, Limpol, Astral...

Aguardo o café da manhã
e um amor para toda vida

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Caçador

                                                                     

Tornei-me a lixa
que morava na bochecha
que beijava todas as noites

O que será servido quando ele chegar?

Chegou.

Está na hora...
devo com minhas próprias armas
trazer para casa o frete de carne
pepino, coentro, tomate
alface, batata, cenoura
e Danoninho...

pois já tenho idade para ser caçador.

Nesses tempos informaçonicos
os caçadores mudaram os trajes
deixaram de lado as peles de bode
as lanças pontiagudas, a lenha colhida,
mudaram o jeito de entrar em briga
e de dançar com corpo de artrópode

Nesses tempos macarrônicos
um caçador deve passar por rituais
a primeira prova é a múltipla-escolha
a segunda prova é escrita
e a terceira é a aptidão...
e com isso almejar os anaïs

Nesses tempos catatônicos
o caçador que se preze
que antes de dormir reze
que almeje ser faraônico
deve priorizar o estudo
e só depois o amor
para conseguir alcançar
um mais do que tudo

Tornei-me a bicha
que morava na proveta
que ele xingava todas as noites

O que será servido quando ele chegar?

Mês de Abril

Ando meio sendo
vivendo a meia estação...

Já é meio dia e meia
está na hora de almoçar!

mas ando meio sem dinheiro
meio pacato, de cuca cheia
com cheque especial para pagar...

Maldito mês de Março!
quem te fez tão inteiro?
A ponto de no mês quarto,
querer entrar o mês terceiro...

e não só o mês terceiro!
Só saio mentindo verdadeiro
pois o mês segundo, do carnaval,
entra rasgando o dia primeiro

e também o mês primeiro!
pois o feriado outonal
tanto o da Santa, quanto o do herói
levam algo de mês de Janeiro

Ando e me rendo
vivendo meio que não...

Abril é meio que não...

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Junguiana

Feche os olhos...

na subconsciência esquerda:

pântano verde
árvores tortas
lua crescente banha o fim
                                    mora um jacaré

                                                             m
                                                                e
                                                                  r
                                                                   g
                                                                   u
                                                                   l
                                                                  h
                                                                 a
                                           
                                                            eu
                                                            até
                                                          CHÃO
                                                                                                                na consciência direita:
                                                                              
                                                                                                                uma gruta onde não vou
                                                                                                                    um purpurado oceano


Quando observo de baixo para cima vejo muita luz batendo na água e barcos sobre o espelho
os pescadores são pinturas do Caribé, coloridas e sem rosto, se mexem muito
eu também não tenho rosto, mas bato pernas, braços e nado até a superfície
chego no espelho e o corpo todo não sai da água, só o bico de jacaré
o sol acontece fervendo e a água de repente começa a secar
os pescadores vão sumindo do quadro vivo
as pedras submersas vão surgindo
minhas escamas viram pele
a gruta ainda não
tudo seca        
             e
              m
                e
                 r
                j
              o
             &
              a
                c
                  o
                    r
                     d
                       o
Acabou
a sessão.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Brasileiro

quantos palmos
me põe longe dele
quantos eles espasmos
preenchem a lonjura daquele

as páginas palmatórias
mostram que a chegada da mesóclise
fez com que as índias notórias
do território nacional
se afastassem de um eu original
se aproximando da psicanálise
e de outras tantas histórias

mas se tantos salmos
foram ditos a ele
quantos tantos sarcasmos
construíram aquele

os pesquisadores da memória
cilindros das imensas análises
percorrem as palmas trajetórias
vendo um ele natural
anotando cada vogal
praticando uma catálise
definindo eliminatórias

e eu que não tenho a alma
que existe nele
nem o mesmo orgasmo
serei brasileiro perene
seremos singularidades
em continental pleonasmo

quarta-feira, 25 de março de 2015

cotidia dia.

acordentes
escorovados cabelos
camisa apeitoada
sapéto amarranzelo

tocalabuta
namesmaconduta
pedindo permuta

bocarra amarelada
sendo barbeada
caindo pentelhos
pedindo permuta

cotonete cutuca
a cera da escuta
pedindo permuta

semblantes
miram antes
razantes juízos certeiros
dos poderosos dinheiros

o olhar usurpa
teu corpo recruta
pedindo permuta

correndo a minuta
devo sair da gruta
aceitar a disputa
arrancar a cicuta
e pagar a vida
implorando permuta