sábado, 27 de agosto de 2011

Rascunhos e estudos. Novos e velhos processos desenhados


O Homem Vitruviano ou a Dama e o Capitão
                                                     

Antígona

Sob a Luz de um Lampião de Esquina

Sob a Luz de um Lampião de Esquina

sábado, 13 de agosto de 2011

Labirinto (estudo)

O novelo vaga por um labirinto de véus
trazendo nas linhas o meu falso regresso
o vermelho da minha adaga é a cor do progresso
e a cabeça da fera carrego como troféu

Meus corredores são os arranha-céus
as rinhas, as leis, o asfalto e o concreto
um cinzeiro cheio é o que resta do verso
e meu tédio é um minotauro de papel

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Direção.

Sou quem busca um peixe dourado nos charcos
repleto de mofo em minhas chagas molhadas
escuto na floresta bezerros chorando
caminham em marcha sem ter um pastor

Os olhos embriagados de vertigem
flanam pela sombra da corda-bamba
por onde me equilibro carregando
um estandarte de idéias esquecidas

Ao romper o ventre pálido da minha mátria
manchado de sangue, versei gritos secos
cirandei meus olhos em volta do mundo
e vi que nasci quando a esperança morreu

Rosa das quatro setas vadias,
apontai uma direção a esse povo perdido!
nômade na veneta e sofrido na memória
nosso trópico de farsa,
sul do mundo...

vóssa casa.


Dedicado a Pedro Augusto Pinto, meu flâneur preferido.

Carnaval (Rascunho)