quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Poema Sentido (Estudo I)

A solidão de quem sente
não dorme na boca do mudo
quem não cala consente
dormir com medo do escuro

O cego não é quem não vê
o cego é o profeta mais puro
a tristeza mora na lente
que enxerga o passado e o futuro


Sinto o cheiro de pó
na minha língua parada
o gosto de um beijo sem nó
da minha alma calada

Eu quero ser Assum Preto
para só assim cantar melhor
hoje a sina de uma gaiola
perto do céu, não é pior

Nenhum comentário:

Postar um comentário