quarta-feira, 5 de junho de 2013

Calmaria

Corta esta âncora que te carrega
e navega sobre meu mar
quero ser tua catrina
teu maremoto
tua piscina
e os ventos que te podem levar

Sei que na calmaria existe a beleza
de perder o olhar no infinito
parar as aventuras
acalmar os instintos
e viver sem ter que parar

Mas se um dia compreender
que só se ama na desventura,
e que só do tormento
nasce a ternura
abro minha rosa dos ventos
e entrego todo o meu tempo
para viver tua amargura

Nenhum comentário:

Postar um comentário