quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Só confio no artista

Só confio no artista que não vê separação
entre viver e trabalhar.
Os olhos brilhantes de um aedo
nunca desabam em sono
pois só depois de madrugar os outonos
a morte há de chegar
e só quando o poeta estiver afônico
quando seu canto não se por histriônico
ele há de se permitir descansar

Só acredito no artista
que recusa a auto-piedade
pois poeta que não é de revista
torna a sua vida uma obra de arte

Não me interessam horários
agendas, cronogramas ou ementas
o artista não tem escapatória
teu coração é a própria palmatória
que faz dele a sua própria lenda

Só confio no artista que no meio da ilusão
entre viver e sonhar
acaba por preferir a primeira opção
pois a verdadeira utopia é trabalhar
e levantar passo por passo
a música que deseja dançar

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Domingo Paulistano

Nada me aflige mais
que um domingo paulistano.

Nele se forma o elo
das poucas conquistas
dos dias deixados para trás
com as grandes batalhas
dos próximos anos

E tudo isso olhando Fausto Silva
transmitir suas vídeo cacetadas...

No primeiro dia da semana
em toda a imensa metrópole
pais de bermuda e camisa pólo
invadem os parques da cidade
e gastam bifes de seus salários
comprando doces para suas crianças

E tudo isso com os parentes
dizendo que a casa está desarrumada...

No dia em que Deus descansou...
são paulo descansa acordado
teu sétimo dia de pouco salário
é transmitido com o Corinthians
distribuindo chutes pelo gramado

E tudo isso com a maionese caseira
que mais uma vez saiu empapada...

Nada me aflige mais
que um domingo em São Paulo
se eu fosse Deus trabalharia nesse dia
começaria explodindo os picolés dos casais
depois negaria a falsa esperança dos cinemas
quebraria a perna dura dos boleiros
e por fim, arrancaria os dedos rosados das tias gordas
para que nunca mais apertem as bochechas de seus sobrinhos




Nada me aflige mais
que notar o passar dos anos...

domingo, 3 de novembro de 2013

Triângulo

                              e se repete a mesma toada dos trezentos




                                EU                                                    ELE




                                                         
                                                           TU





                                     valsa ternária de pronomes pessoais
                                 

                                               em terno ritmo lento


                                                  nos toques finais
                                                   
                                                       do tom
                                                     
                                                         azul

                                                     
                                                         Daí
                                                     
                                                     um ponto
                                                  encontra outro
                                            que encontra mais outro
                                           e a valsa torna-se um blues.
                                           
                                            Então outra vez acabo a sós.
                                             Pois valsa se dança a dois
                                              pego a vassoura no salão
                                                e deixando o triângulo
                                                  o pronome pessoal
                                                      se torna eu
                                                        e deixa
                                                         de ser
                                                   
                                                     
                                                          NÓS