quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Máscara

             
                                                                                 



                                                                                                                Para Tom, meu parceiro...


És tu a minha máscara,
visto teus olhos de papel cortado
e da janela revindico ser Julieta!
Para sentir um pouco o sabor de sua indecisão
e no baile surpreender-me ao segurar sua mão
que me carrega para a varanda das nossas vidas
a onde veremos o mundo explodir...

E que se exploda mesmo!
Pois com seus pedaços
levantaremos o nosso castelo
de papel, gesso, argila
 e cerveja também...

Por que ninguém é de ferro...

Vista já minha máscara de Romeu!
pois sou o veneno de teu berro
e juntos somos o mundo que sonhamos
que está aqui, sendo modelado,
que está aqui, em nosso corpo machucado
de  pinga, suor e trabalho
suportando um próximo ano
ao lembrar que o outro doeu

Sou teu velho amigo,
 faça comigo o que tem que fazer
e faça com atenção
tudo o que eu nunca faria
para rasgarmos a fantasia
e finalmente arrancarmos com força
a máscara de nossa ilusão

Nenhum comentário:

Postar um comentário