sábado, 5 de abril de 2014

En'canto

                                                                                  Para a minha bruxa, por ensinar-me da lua e das mãos

não só canta encantamentos da boca.
(vi)stiste na mira um canto
que exala sereia
piscando em pupila
su'rugir'indo um olho-leão
envaidedistribuído
pelo céu de verde'g'rama
que espanta por medo de "me apaixonei..."

pois eu que um dia me deitei
na 'g'ramacéu todanoite a teulado
para conhecer digitais leoas
quando tuas escamas gelósas de sereia
surpreenderam ao tocar os pelos
de tu'ma criatura mitológica.

pois teus fios
de forma nunca antes já feita
fizeram me gozar os prantos
das antigasminhas mulheres
e com sal das lágrimas jorradas
em meus dedos devanecidos de macho
aprendi a meninofeminino dormir sonhoso
enquanto caídormindo em teu ombro
em canto acordeitei em teu colo

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Bumerangue

                                                                                                                  Para Eleonor, a minha catástrofe...
                                                   
sou teu e sempre teu
te lanço aos ares sobre os caminhos verdes
e imploro para que siga tua sina
mas na curva do oeste
tendes a voltar
e eu a abraçar
o violento impacto
das tuas retinas.
basta chamar-me
pelos antigos olhos de outros poemas
e meu coração volta intacto
pronto para se rasgar
em pequenas centenas vermelhas
que provam esse meu pacto:

-Sou teu e só teu-

mas só sou teu
se prometeres não me teres compaixão
pois compaixão é quase pena
e já são mais de duzentas quarentenas
sujeitas ao meu coração.
por isso grito alto que a alta é minha decisão!
quando se trata de tratar a gangrena
pela fineza das tuas mãos...

que
volt1volt'volt'VOLTAM
e não ficam!
e onde se fincam?
em que região?

AH! Mas'aqui não!

Guardo tudo com chave de prisão:

meus olhos
                meu peito
                               meu TESÃO

                                                                                                                           [ai está a mentira]
                                                                                                                           [ai está o dilema]
...
sempre voltapoema
ie'u tomado de (i)razão.
voltocorrendo a arena
e percebo que teu sexo
supera tudo de complexo
e vira minha imensidão.