quarta-feira, 2 de abril de 2014

Bumerangue

                                                                                                                  Para Eleonor, a minha catástrofe...
                                                   
sou teu e sempre teu
te lanço aos ares sobre os caminhos verdes
e imploro para que siga tua sina
mas na curva do oeste
tendes a voltar
e eu a abraçar
o violento impacto
das tuas retinas.
basta chamar-me
pelos antigos olhos de outros poemas
e meu coração volta intacto
pronto para se rasgar
em pequenas centenas vermelhas
que provam esse meu pacto:

-Sou teu e só teu-

mas só sou teu
se prometeres não me teres compaixão
pois compaixão é quase pena
e já são mais de duzentas quarentenas
sujeitas ao meu coração.
por isso grito alto que a alta é minha decisão!
quando se trata de tratar a gangrena
pela fineza das tuas mãos...

que
volt1volt'volt'VOLTAM
e não ficam!
e onde se fincam?
em que região?

AH! Mas'aqui não!

Guardo tudo com chave de prisão:

meus olhos
                meu peito
                               meu TESÃO

                                                                                                                           [ai está a mentira]
                                                                                                                           [ai está o dilema]
...
sempre voltapoema
ie'u tomado de (i)razão.
voltocorrendo a arena
e percebo que teu sexo
supera tudo de complexo
e vira minha imensidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário