quarta-feira, 21 de maio de 2014

Além.

Por que permaneço a devorar das fibras vermelhas
pelo vigor do sangrento prazer desejoso das carnes?
Eu assisti "A Carne é fraca!"
Me esbaldo com lentilhas e abobrinhas
e sei do vocalize ensurdecedor que fazem os porcos
quando são decididos para fazer a passagem.

Por que bebo a maldita espuma dos pães
fermentada pelas bundas de mulheres peladas?
Nunca gostei de loira!
Gosto quando acordo disposto e vivo.

                                                                       [Eu vi o pé de meu avô
                                                                       inchar junto com sua mágoa
                                                                       que por beber dessa água,
                                                                       destruiu sua família.]

Por que torno a entornar a velha chupeta de fumaça
saída dos lábios de um Cowboy parlador de inglês?
Não consigo subir em cavalo!
e quando adoeço vou em dobro
me perdendo entre os velhos catarros
manchados de vermelho pulmão

Por que entupo as artérias com goles de gás açucarado
saídas das mãos de escravos norte coreanos?
O homem encontrou um rato lá dentro!
e aos poucos seu corpo foi desentupido
pelo negro líquido vicioso
que o papai noel bebe em Dezembro

Por que não desligo o azul do livro dos rostos?
Que o tempo inteiro me chama pelas três notas agudas
apontando uma caixa no fundo da tela
a onde minha vida amorosa se afunda.

Por que os medicamentos para o sono?
Para a cabeça, para a tristeza, para o sexo,
para os olhos, para a barriga, para a lida
para os cornos?

Por que as tantas fronhas suadas?
Se sei que o melhor é deitar na cama
e deixar de fazer fama...

Por que mais de mil contos,
nas listas imensas, imersas
das caudalosas águas?
Que já não são nada.

Por que nesses tantos pontos
sei a coisa certa
e vou pela inquieta

Por que tão pouco?
Por que tantos  pontos?

                                                                                                       [Porque sou além de corpo.]

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Rascunho desejoso de litoral

Gostaria de carregar a pureza
das baixas vegetações do litoral...

Elas compreendem ao certo
que o que importa
é contemplar o horizonte
pela beira da areia
observando o movimento
das ondas azuis do mar

Gostaria de ser veloz
como os pequeninos carangueijos
que observam da margem
a água refletindo o céu
e quando qualquer perigo se aproxima
correm de lado
até enterrar-se no fim dos mundos






                                                                            fevereiro de 2014, Praia do Sono, São Paulo.

domingo, 18 de maio de 2014

Vai ou não vai.

                                                           se vôa pássarico


                                                       deverás de bico in bico
                                                       batalhar pelos caminitos
                                                                 
                                                               del mondo...


                                                           se ficas, piriquita


                                                         virarás pele de cuíca
                                                          de póro qui sistica
                                                         
                                                             e eu estrondo....