quinta-feira, 28 de maio de 2015

Posição de dormir

        I

Do lado de lá

a pedra dança balé clássico
fazendo três acrobacias
sobre águinha cristalina
até chegar no profundo

A criança com mira mole
esburáca um sonho duro

        II

Do lado de dentro

o travesseiro de pata na pata
uma pena foge sorrateira
penteando o leito quente
de cor branca leite candura

Ele mira ela, lábio dormente,
sonhando um futuro infinitivo

        III

Do lado de fora

as falanges esquentam um copo
os lampadários lantejoulam
sobre gotículas de chuva
que texturizam a mesa vermelha

A fêmea fumante mira a espuma
e sonha o mirante de um barco


         IV

Do lado de cá

as unhas batucam nas letras
pretas quadradas abecedáricas
em um sinônimo resultado
de companhia solidada

Eu miro a noite silente
tenho medo de sonho
não durmo.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Quarto de Hotel

O céu não tem fim
em um hotel no interior

nem um som rodeia a cidade
nem uma roupa prende

felicidade

escuto o infinito
como um balão pegando fogo
escuto o ronco dos vizinhos
timbrando com o ar condicionado

sem mundo exterior.

Como são limpos esses lençóis...

O que será que passam as camareras?
nas camas brancas de casal...

A vida é um pouco mais suja
e um pouco mais quente
que os produtos presos no frigobar

Veja, Limpol, Astral...

Aguardo o café da manhã
e um amor para toda vida

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Caçador

                                                                     

Tornei-me a lixa
que morava na bochecha
que beijava todas as noites

O que será servido quando ele chegar?

Chegou.

Está na hora...
devo com minhas próprias armas
trazer para casa o frete de carne
pepino, coentro, tomate
alface, batata, cenoura
e Danoninho...

pois já tenho idade para ser caçador.

Nesses tempos informaçonicos
os caçadores mudaram os trajes
deixaram de lado as peles de bode
as lanças pontiagudas, a lenha colhida,
mudaram o jeito de entrar em briga
e de dançar com corpo de artrópode

Nesses tempos macarrônicos
um caçador deve passar por rituais
a primeira prova é a múltipla-escolha
a segunda prova é escrita
e a terceira é a aptidão...
e com isso almejar os anaïs

Nesses tempos catatônicos
o caçador que se preze
que antes de dormir reze
que almeje ser faraônico
deve priorizar o estudo
e só depois o amor
para conseguir alcançar
um mais do que tudo

Tornei-me a bicha
que morava na proveta
que ele xingava todas as noites

O que será servido quando ele chegar?

Mês de Abril

Ando meio sendo
vivendo a meia estação...

Já é meio dia e meia
está na hora de almoçar!

mas ando meio sem dinheiro
meio pacato, de cuca cheia
com cheque especial para pagar...

Maldito mês de Março!
quem te fez tão inteiro?
A ponto de no mês quarto,
querer entrar o mês terceiro...

e não só o mês terceiro!
Só saio mentindo verdadeiro
pois o mês segundo, do carnaval,
entra rasgando o dia primeiro

e também o mês primeiro!
pois o feriado outonal
tanto o da Santa, quanto o do herói
levam algo de mês de Janeiro

Ando e me rendo
vivendo meio que não...

Abril é meio que não...

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Junguiana

Feche os olhos...

na subconsciência esquerda:

pântano verde
árvores tortas
lua crescente banha o fim
                                    mora um jacaré

                                                             m
                                                                e
                                                                  r
                                                                   g
                                                                   u
                                                                   l
                                                                  h
                                                                 a
                                           
                                                            eu
                                                            até
                                                          CHÃO
                                                                                                                na consciência direita:
                                                                              
                                                                                                                uma gruta onde não vou
                                                                                                                    um purpurado oceano


Quando observo de baixo para cima vejo muita luz batendo na água e barcos sobre o espelho
os pescadores são pinturas do Caribé, coloridas e sem rosto, se mexem muito
eu também não tenho rosto, mas bato pernas, braços e nado até a superfície
chego no espelho e o corpo todo não sai da água, só o bico de jacaré
o sol acontece fervendo e a água de repente começa a secar
os pescadores vão sumindo do quadro vivo
as pedras submersas vão surgindo
minhas escamas viram pele
a gruta ainda não
tudo seca        
             e
              m
                e
                 r
                j
              o
             &
              a
                c
                  o
                    r
                     d
                       o
Acabou
a sessão.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Brasileiro

quantos palmos
me põe longe dele
quantos eles espasmos
preenchem a lonjura daquele

as páginas palmatórias
mostram que a chegada da mesóclise
fez com que as índias notórias
do território nacional
se afastassem de um eu original
se aproximando da psicanálise
e de outras tantas histórias

mas se tantos salmos
foram ditos a ele
quantos tantos sarcasmos
construíram aquele

os pesquisadores da memória
cilindros das imensas análises
percorrem as palmas trajetórias
vendo um ele natural
anotando cada vogal
praticando uma catálise
definindo eliminatórias

e eu que não tenho a alma
que existe nele
nem o mesmo orgasmo
serei brasileiro perene
seremos singularidades
em continental pleonasmo

quarta-feira, 25 de março de 2015

cotidia dia.

acordentes
escorovados cabelos
camisa apeitoada
sapéto amarranzelo

tocalabuta
namesmaconduta
pedindo permuta

bocarra amarelada
sendo barbeada
caindo pentelhos
pedindo permuta

cotonete cutuca
a cera da escuta
pedindo permuta

semblantes
miram antes
razantes juízos certeiros
dos poderosos dinheiros

o olhar usurpa
teu corpo recruta
pedindo permuta

correndo a minuta
devo sair da gruta
aceitar a disputa
arrancar a cicuta
e pagar a vida
implorando permuta





terça-feira, 17 de março de 2015

Monumento

Quero ser um busto
um desses bigodudos com olhos de pedra
para observar sereno os casais nas praças
apitar as partidas de xadrez, apontar os assaltos
e contemplar
como se olhasse o mar
os automóveis rasgando o asfalto

Quem sabe virar uma estrada...
A placa da imensa avenida, o pedágio da rodovia
para poder sentir o vento dos caminhões correndo
sentir queimar a plantação dos meus cabelos
e firmar meu bandeirantismo paulista

E se eu sentasse ao lado de Drummond?
e o escutasse, na doçura de um som bacana
versar Garota de Ipanema
na Praia de Copacabana

E se eu fosse um dos homens de cimento
do puxa empurra, deixa que eu puxo,
a esperar o disparo dos cartuchos
com seus tons sonoros sangrentos

Quero petrificar meus olhos de susto
e deixar meu coração eternizado
tornar-me de peito aberto, um busto
e dia após dia
acabar minha noite



sendo mijado

segunda-feira, 16 de março de 2015

Dança frenética

No bater das teclas
dança frenética a aliança de noivado
-5,00- Ela me diz
Entrego a nota
uma parte dou em moeda.
Passo na boca o café expresso
e os olhos no vidro fumê
cor de rosa...
Aqui poderia ser Tókio.

No bater das teclas
dança frenética a aliança de noivado
três notas rápidas saídas da tela
surpreendem ela...
Deve ser notificação.
Passa por trás da lente rósea
uma manifestação
meus dentes amargos rangem
ao ouvir roncar o trovão

No bater das teclas
dança frenética a aliança de noivado
aproxima o objeto da boca
deve estar gravando áudio
para o tal namorado.
O vidro escureceu
sobre a avenida latrina
cairão gotas pequeninas
do meu céu da boca açucarado.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Sujeito caído pro predicado

                                                                                                         ei de
                                                                                                        dar cabo
                                                                                                        do que afago
                                                                                                        pecado por pecado
                                                                                                        no meu passo
                                                                                                       amargado
                   sou eu                                        
             o macabro                            
       sujeito rasgado                                                         
  de mil machucados      
      na espera caída
          do predicado                                                                                
                                                             o seu
                                                           delicado
                                                        coração doeu
                                                 quando em seu apogeu
                                                 se deparou com o meu

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Poema verticalizado.

                                                    Adeus

                                            Dona Mariquinha

                                        levaram teus dias embora

                                     com eles foram tuas vizinhas

                                  com tuas vizinhas, teus cachorros,

                                com teus cachorros, tuas pitangueiras,

                               com tuas pitangueiras, tuas carambolas,

                             com tuas carambolas, tuas grandes histórias

                         

                         
                              Hoje, o fantasma daquela senhora, ronda

                             o novo playground do edifício Flor de Lottus

                            o glorioso recém-empreendimento paulistano

                            com seu tecnicolor e ostensivo corpo ignoto

                            com seus duplex e suas suítes de gás metano

                            com seus estacionamentos guardando octano
                       
                         
                           Na Rua de Dona Mariquinha tinha um padeiro

                         que quando baixava a tardinha distribuía pão velho

                         Na Rua de Dona Mariquinha tinha uma meninada

                         que brincando de esconder usava de pix o limoeiro

                         Na rua de Dona Mariquinha tinha cada marmelo!

                        Que  grandes árvores se debruçavam pelos canteiros

                         Na Rua de Dona Mariquinha tinha até Ipê amarelo

                         mas hoje, onde ficavam as flores, ficam castelos.


                       
                        Um imenso prédio de trinta e um andares subiu

                        dentro dele dezenove pequenas famílias frustradas

                           com mais cinco criadoras de gatos sozinhas

                                e quatro tarados próximos ao surto.





                               
                                       Em Junho do ano passado

                                       o moço do vigésimo andar

                                                 



                                                    PU
                                                    lou

                                                      .

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Capibaribe dos meus sonhos

                                                   
Dedicado ao Candeia, Aguinaldo, Ariana, Yanninha e Cristiano...
         
             I

Verve vermífoga das praças
antígas de urina e suor...

Hoje é domingo
observo sereno o pinto do Brennand
na sonóra salmoura do Marco-Zero


             II

Feira livre de siriguela:

"Aproveita hoje que tá baratinho
amanhã só vou te fazer carinho!"

Qué?
Meu pé no Mercado São José!

Ouço um grito
das ramas verdes de uma velha rachada
tá lá:

cana, shark, água, cachimbo
palha trançada, barquinho, vagem
chapéu, facão, postal, cura pro mal
anágua, janela, brinquedo e carimbo

salada de catravagem
que não cabe em casa

Mas eu queria tanto que coubesse!

             III

trincando pela central
uma garrafa de cerveja abraça meu corpo
alivia o abafamento suado da cidade
e o perfume do rio corrente...

O jovem cosmopolita inflama-se numa discussão


deve estudar cinema.


Ai...
Como são lindos esses meninos
cheios de destino!

lembro do verso;

"saudade que me trouxe pelo braço"

E digo:
Sou eu quem chegou.

Sou eu, Recife,
teu anti-severino
retirado de avião
de pé no Capibaribe


             IV

-Terra à vishta!
Armado até os dentes gritou o Holandês
                                                         [só que em Holandês]

e disse que tudo era tão bonito que  a terra ia se chamar "A linda"
mas como falava o idioma holandês, anglosaxonês,
na hora de registrar no cartório, como já é tradição,
confundiu-se nos percalços da tradução
e em número e grau errou o gênero
ficou "Olinda".

              V

Taca galinha na gaiola
que pela currióla, corre nego cheio
nega prenha, e um menino amarelo,
buchudo, comedor de farinha
- Ô coisinha! pare de pisar no meu pé!
Diz a véia, com inhame nas sacolas
pinga, para, sobe, para pinga, sobe,
Tudo em pé, buscando chegar no destino...

Ônibus de saudades nordestino

               VI

Das rachaduras do chão de uma pele
escuto palavras áridas:

-Aqui só morava lavrador

Um dia o dono da usina
amarrou a morada de cada
com uma corda na madrugada
um grande e imenso trator
foi se os meninos e as meninas
e quem não morreu com essa sina
hoje é seu trabalhador

               VII

Nada do boi se joga fora:

Seus miúdos são os aglomerados de gente

Mora na tua corcóva o Maracatú
nos teus cascos o Carimbó
na tua canela o Carralo-Marin
na tua língua o Bumba
seu coração é Samba
sua coxa é Congado
teu rabo as Pastorinhas
teu pau a macumba
teu coro é carnaval


e nos teus chifres reizados

mora a permissão pro pecado

               VIII

Escuto o raio da silibrina
que toca com clarões os becos
onde uma bicha se raspa na outra

E já que já
estou assim meio morto...

Desejo ser servido à cabidela!


terra de ferro e frevo
onde fervo meu nervo


só quero viver se for com ela.