quarta-feira, 25 de março de 2015

cotidia dia.

acordentes
escorovados cabelos
camisa apeitoada
sapéto amarranzelo

tocalabuta
namesmaconduta
pedindo permuta

bocarra amarelada
sendo barbeada
caindo pentelhos
pedindo permuta

cotonete cutuca
a cera da escuta
pedindo permuta

semblantes
miram antes
razantes juízos certeiros
dos poderosos dinheiros

o olhar usurpa
teu corpo recruta
pedindo permuta

correndo a minuta
devo sair da gruta
aceitar a disputa
arrancar a cicuta
e pagar a vida
implorando permuta





terça-feira, 17 de março de 2015

Monumento

Quero ser um busto
um desses bigodudos com olhos de pedra
para observar sereno os casais nas praças
apitar as partidas de xadrez, apontar os assaltos
e contemplar
como se olhasse o mar
os automóveis rasgando o asfalto

Quem sabe virar uma estrada...
A placa da imensa avenida, o pedágio da rodovia
para poder sentir o vento dos caminhões correndo
sentir queimar a plantação dos meus cabelos
e firmar meu bandeirantismo paulista

E se eu sentasse ao lado de Drummond?
e o escutasse, na doçura de um som bacana
versar Garota de Ipanema
na Praia de Copacabana

E se eu fosse um dos homens de cimento
do puxa empurra, deixa que eu puxo,
a esperar o disparo dos cartuchos
com seus tons sonoros sangrentos

Quero petrificar meus olhos de susto
e deixar meu coração eternizado
tornar-me de peito aberto, um busto
e dia após dia
acabar minha noite



sendo mijado

segunda-feira, 16 de março de 2015

Dança frenética

No bater das teclas
dança frenética a aliança de noivado
-5,00- Ela me diz
Entrego a nota
uma parte dou em moeda.
Passo na boca o café expresso
e os olhos no vidro fumê
cor de rosa...
Aqui poderia ser Tókio.

No bater das teclas
dança frenética a aliança de noivado
três notas rápidas saídas da tela
surpreendem ela...
Deve ser notificação.
Passa por trás da lente rósea
uma manifestação
meus dentes amargos rangem
ao ouvir roncar o trovão

No bater das teclas
dança frenética a aliança de noivado
aproxima o objeto da boca
deve estar gravando áudio
para o tal namorado.
O vidro escureceu
sobre a avenida latrina
cairão gotas pequeninas
do meu céu da boca açucarado.