sexta-feira, 17 de abril de 2015

Caçador

                                                                     

Tornei-me a lixa
que morava na bochecha
que beijava todas as noites

O que será servido quando ele chegar?

Chegou.

Está na hora...
devo com minhas próprias armas
trazer para casa o frete de carne
pepino, coentro, tomate
alface, batata, cenoura
e Danoninho...

pois já tenho idade para ser caçador.

Nesses tempos informaçonicos
os caçadores mudaram os trajes
deixaram de lado as peles de bode
as lanças pontiagudas, a lenha colhida,
mudaram o jeito de entrar em briga
e de dançar com corpo de artrópode

Nesses tempos macarrônicos
um caçador deve passar por rituais
a primeira prova é a múltipla-escolha
a segunda prova é escrita
e a terceira é a aptidão...
e com isso almejar os anaïs

Nesses tempos catatônicos
o caçador que se preze
que antes de dormir reze
que almeje ser faraônico
deve priorizar o estudo
e só depois o amor
para conseguir alcançar
um mais do que tudo

Tornei-me a bicha
que morava na proveta
que ele xingava todas as noites

O que será servido quando ele chegar?

Mês de Abril

Ando meio sendo
vivendo a meia estação...

Já é meio dia e meia
está na hora de almoçar!

mas ando meio sem dinheiro
meio pacato, de cuca cheia
com cheque especial para pagar...

Maldito mês de Março!
quem te fez tão inteiro?
A ponto de no mês quarto,
querer entrar o mês terceiro...

e não só o mês terceiro!
Só saio mentindo verdadeiro
pois o mês segundo, do carnaval,
entra rasgando o dia primeiro

e também o mês primeiro!
pois o feriado outonal
tanto o da Santa, quanto o do herói
levam algo de mês de Janeiro

Ando e me rendo
vivendo meio que não...

Abril é meio que não...

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Junguiana

Feche os olhos...

na subconsciência esquerda:

pântano verde
árvores tortas
lua crescente banha o fim
                                    mora um jacaré

                                                             m
                                                                e
                                                                  r
                                                                   g
                                                                   u
                                                                   l
                                                                  h
                                                                 a
                                           
                                                            eu
                                                            até
                                                          CHÃO
                                                                                                                na consciência direita:
                                                                              
                                                                                                                uma gruta onde não vou
                                                                                                                    um purpurado oceano


Quando observo de baixo para cima vejo muita luz batendo na água e barcos sobre o espelho
os pescadores são pinturas do Caribé, coloridas e sem rosto, se mexem muito
eu também não tenho rosto, mas bato pernas, braços e nado até a superfície
chego no espelho e o corpo todo não sai da água, só o bico de jacaré
o sol acontece fervendo e a água de repente começa a secar
os pescadores vão sumindo do quadro vivo
as pedras submersas vão surgindo
minhas escamas viram pele
a gruta ainda não
tudo seca        
             e
              m
                e
                 r
                j
              o
             &
              a
                c
                  o
                    r
                     d
                       o
Acabou
a sessão.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Brasileiro

quantos palmos
me põe longe dele
quantos eles espasmos
preenchem a lonjura daquele

as páginas palmatórias
mostram que a chegada da mesóclise
fez com que as índias notórias
do território nacional
se afastassem de um eu original
se aproximando da psicanálise
e de outras tantas histórias

mas se tantos salmos
foram ditos a ele
quantos tantos sarcasmos
construíram aquele

os pesquisadores da memória
cilindros das imensas análises
percorrem as palmas trajetórias
vendo um ele natural
anotando cada vogal
praticando uma catálise
definindo eliminatórias

e eu que não tenho a alma
que existe nele
nem o mesmo orgasmo
serei brasileiro perene
seremos singularidades
em continental pleonasmo